Menu

Imprensa-250x250abertJuridica 250x2501novoParlamentar 250x250Assessoria Técnica

FacebookTwitterGoogle BookmarksLinkedin

Para Abert, debate sobre consolidações mídia/telecom deve considerar competidores via Internet

Teletime

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017
SAMUEL POSSEBON

Para o presidente da Abert e vice-presidente institucional do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo, a discussão sobre a possibilidade das empresas de mídia e as empresas de telecomunicações se consolidarem no Brasil não pode ser feito sem que se tenha em vista um movimento maior, de competição das empresas de Internet. Para ele, estas empresas produzem conteúdos, distribuem conteúdos, vendem publicidade "e não dão nenhuma bola para os reguladores".

Tonet foi mais longe: na visão do executivo, ao contrário das empresas de mídia e de comunicação, que são fortemente reguladas, o ambiente da Internet "é uma terra de ninguém e não podemos fazer de conta que isso não existe", referindo-se inclusive a conteúdos considerados degradantes e que mesmo assim exibem publicidade. "As políticas públicas precisam trazer responsabilidades. Precisamos nos debruçar sobre isso. Não estamos falando de fechar nem de proibir nada, mas de discutir o problema. Existe uma imensa discrepância regulatória que está se apresentando".

Tonet Camargo, que participou do Seminário Políticas de (Tele)Comunicações, organizado nesta terça, 14, pela Teletime e pelo Centro de Estudos de Políticas de Comunicações da UnB, participou de uma mesa que tratava essencialmente das limitações legais e regulatórias à consolidação entre empresas de mídia e telecom, que tem como um dos principais casos atualmente a fusão entre a AT&T e Time Warner, que teria impactos no Brasil já que a AT&T é controladora da Sky e a Time Warner tem canais distribuídos no país. Mas o presidente da Abert preferiu focar suas críticas às empresas de Internet. Sobre a questão da propriedade cruzada, ele lembrou que existe no Brasil um "contrato social" que vem desde a Constituinte de 1988 e que protege o mercado de comunicações brasileiro, mas não foi categórico ao dizer que esse assunto não possa ser discutido.

Última modificação emQuarta, 15 Fevereiro 2017 16:41
voltar ao topo

rss

 

SiteLock