08009402104

Telefone

@abertbr

Twitter

abertbr

Instagram

ABERT.RadioeTV

Facebook

Quarta, 15 Abril 2015 00:00

“PLANTEI MADRUGADA EM TEUS CABELOS - 13” *

Escrito por
Avalie este item
(1 Votar)

Egresso das centenas de graus centígrados de uma oficina de jornal diário, era, agora aos 13 anos de idade, um fascinado aluno do Ginásio da Bahia, o que me permitia trabalhar na sucursal em Salvador do jornal “Estado de São Paulo” como datilógrafo e copiador de notícias.

Caminhando pelas ruas da Cidade Baixa,  pessoalmente ia distribuir um exemplar a empresários, assinantes do serviço.

Já se falava em direito de exprimir-se e não era novidade quando os homens do poder diziam, entre esgares de satisfação e amplos sorrisos, que não toleravam as ideias contra a liberdade de expressão, mesmo porque estavam convencidos de que era preciso entender e destacar que todas as liberdades são combinadas umas com as  outras.

Ouvira falar de liberdade de pensar, de livremente exprimir nossas dúvidas, nossos desejos, nossos sonhos.

Aprendera que o jornal era o caminho mais direto para nos garantir a sobrevivência de nossas ideias.  

Enquanto a polícia montada do tenente interventor nos encurralava na porta do colégio estadual, limitando, a golpes de espadas e cassetetes, nosso direito de expressão, sem problemas, no meu bairro, um jornaleco,  datilografado em duas vias, era oferecido aos que se interessassem pela leitura.

O nome do jornaleco: ALARME. O título era sensacionalista, mas o conteúdo estava dentro da norma de usar as liberdades ajustadas entre elas, para contar o dia a dia do bairro às margens do Dique do Tororó.

Circulavam, semanalmente, um original e uma cópia carbono, Era esperado, porque o  “Alarme” falava de gente, de vida simples, fazia inocentes fofoquinhas, gostava de destacar as meninas bonitas, que ainda namoravam caminhando aos domingos na pracinha onde o bonde tinha seu ponto final.  

Até que um dia a manchete principal era “Plantei madrugada em teus cabelos 13”.

Um sábado, na pracinha, um “brutamontes”, irmão de uma linda garota de 13 anos, mostrou como combater o que para ele era um “excesso de liberdades”. Entendeu a seu modo o verso e obrigou o redator “Zé Linguiça” a comer e engolir em praça pública o jornaleco.  
 
Foi o primeiro exemplo concreto que vivi de violência contra a liberdade de expressão.  E ainda enfrentei muitas outras, nesta longa trajetória pela radiodifusão e pelo jornal... pelo mundo afora.      

*José de Almeida Castro é jornalista e escritor. Foi presidente da Abert entre 1972-1974 e da Associação Internacional de Radiodifusão (AIR) por quatro mandatos. Colabora com artigos sobre temas ligados à radiodifusão.

Acessos: 8581 vezes
Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF
+55 61 2104-4600
abert@abert.org.br

© Copyright 2020 ABERT. Associaçāo Brasileira de Emissoras de Rádio e Tv