Brasil continua sendo perigoso para jornalistas, diz RSF
0800.940.2104

Telefone

abert@abert.org.br

E-mail

ABERT.RadioeTV

Facebook

@abertbr

Twitter

Quarta, 26 Abril 2017 12:14

Brasil continua sendo perigoso para jornalistas, diz RSF

Escrito por

Pelo sexto ano seguido, o Brasil permanece como um dos países mais perigosos do mundo para o exercício do jornalismo, segundo o Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa de 2017, da organização Repórter Sem Fronteiras (RSF).

O país está na posição de número 103, dentre os 180 que fazem parte do levantamento. Em 2016, o Brasil ocupava a posição 104. Além dos casos de violência, a RSF considera as pressões de instituições e autoridades sobre a imprensa, os processos judiciais contra a honra dos profissionais de comunicação e os processos que atentam contra o direito ao sigilo da fonte.

Levantamento da RSF mostrou que, nos últimos cinco anos, o Brasil é o segundo país na América Latina onde ocorreram mais assassinatos de profissionais da comunicação, atrás apenas do México.

O relatório Liberdade de Imprensa de 2016 da ABERT apontou que apesar da queda de assassinatos, os casos de violência contra os profissionais de comunicação aumentou cerca de 62%, se comparado a 2015.

Os registros de agressões físicas, atentados, ataques, ameaças e intimidações passaram de 106 em 2015 para 172 em 2016. Pelo menos 261 profissionais e veículos de comunicação sofreram algum tipo de violência não-letal. O número de assassinatos de jornalistas caiu de oito em 2015 para dois em 2016.

Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF
+55 61 2104-4600
abert@abert.org.br