Menu

Imprensa-250x250abertJuridica 250x2501novoParlamentar 250x250Assessoria Técnica

mobiabert streaming banner web final

FacebookTwitterGoogle BookmarksLinkedin

ABERT repudia invasão a parque gráfico de O Globo

Em nota divulgada à imprensa na quinta-feira (8), a ABERT repudiou a invasão promovida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST) ao parque gráfico do jornal O Globo, no Rio de Janeiro (RJ) e pediu às autoridades uma apuração rigorosa do fato e a punição dos responsáveis.


Cerca de 400 integrantes do MTST, muitos, inclusive, armados com facões, picharam vidraças, sofás, paredes e o piso do jornal, além de atearem fogo em pneus.

Na nota, assinada também pela Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e pela Associação Nacional de Jornais (ANJ), as três associações afirmam que “é inadmissível que um grupo, que se diz defensor de causas sociais, ameace e ataque profissionais e meios de comunicação que cumprem a missão de informar a sociedade sobre assuntos de interesse público. Atos criminosos como este são próprios de grupos extremistas, incapazes de conviver em ambiente democrático, e não pautarão os veículos de comunicação brasileiros” (leia a íntegra aqui).

De acordo com o Relatório ABERT sobre Violações à Liberdade de Expressão, este é o quinto caso de ataques e vandalismos registrado contra veículos de comunicação somente em 2018.  O relatório aponta que, até o momento, já foram registrados 21 casos de violência não letal contra profissionais e veículos da imprensa, além de dois assassinatos de jornalistas.

Invasão do MST tem repercussão internacional

A invasão ao parque gráfico de O Globo também foi repudiada por entidades internacionais que atuam em defesa da liberdade de imprensa.

Em nota, a Associação Internacional de Radiodifusão (AIR) condenou os atos de vandalismo e citou a Declaração de Princípios sobre liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. “A violência, intimidação ou ameaça aos comunicadores sociais e a destruição material dos meios de comunicação, violam os direitos fundamentais das pessoas e diminuem severamente a liberdade de expressão. É dever dos Estados prevenir e investigar esses fatos, punir seus perpetradores e garantir às vítimas uma reparação adequada “, diz a nota.

Também a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) pediu que as autoridades garantam a segurança dos seus funcionários e identifiquem e punam os responsáveis por este “ato violento e ilegal”.

voltar ao topo

Mais recentes

Mais acessadas

rss

 

SiteLock