ABERT.RadioeTV

Facebook

@abertbr

Twitter

Login
Associado
Minha Conta
Associado

Notícias

Sexta, 14 Dezembro 2018 13:42

ABERT tem destacada atuação em processos judiciais

Escrito por

Retrospectiva 2018: STF libera sátiras políticas em período eleitoral

Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) acatou ação da ABERT (ADI nº 4451) que pedia a inconstitucionalidade dos artigos da Lei Eleitoral que proibiam a veiculação de sátiras, charges e programas humorísticos, envolvendo questões ou personagens políticos, durante os três meses anteriores ao pleito eleitoral, e também de manifestar opinião favorável ou contrária a candidato ou partido. A ABERT alegou que os artigos violavam a liberdade de expressão e de imprensa, pois poderiam gerar um grave efeito silenciador sobre as emissoras de rádio e televisão.

No julgamento, o ministro relator Alexandre de Moraes ressaltou que a liberdade de expressão não deve sofrer qualquer tipo de censura prévia, e que o Estado não pode intervir naquilo que o eleitor pode ter acesso para se informar. Para o ministro, quem não quer ser criticado ou satirizado não deve ser candidato.

Representação artística infantil é tema para justiça comum

Em outubro, o STF julgou ação da ABERT e confirmou liminar concedida pelo ministro Marco Aurélio em 2015, que havia suspendido normas que transferiam para a Justiça do Trabalho a competência para autorizar o trabalho artístico e esportivo de crianças e adolescentes.

O STF entendeu que a matéria é tratada no Estatuto da Criança e do Adolescente, e que, por isso, cabe às varas especializadas da Justiça Comum autorizar a participação infantil em representações artísticas, e não à Justiça Trabalhista. Para o presidente da ABERT Paulo Tonet Camargo, “a competência para analisar estas autorizações historicamente sempre foi da Justiça da Infância e da Juventude, que tem uma visão multidisciplinar e protetiva do menor. A participação artística infantil não configura trabalho, mas sim uma manifestação lúdica de expressão”.

Fim da contribuição sindical obrigatória

O STF acolheu tese da ABERT e confirmou, em junho, o fim da obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical. No julgamento, o STF entendeu que é constitucional o artigo da Reforma Trabalhista que facultou o pagamento da contribuição, desde o final do ano passado.

Enquanto entidades sindicais ingressaram com 19 ações pedindo para o STF tornar novamente obrigatório o recolhimento, a ABERT foi a única instituição que defendeu a constitucionalidade deste ponto da Reforma Trabalhista.

STF derruba proibição de propaganda de medicamentos em SC

Em setembro, o STF declarou inconstitucional a Lei nº 16.751/15, de Santa Catarina, que proibia a propaganda de medicamentos e similares nos meios de comunicação sonoros, audiovisuais e escritos no estado. De acordo com o STF, a Constituição Federal prevê que cabe à lei federal dispor sobre restrições à propaganda comercial de medicamentos, de modo a garantir à pessoa e à família a possibilidade de se defenderem da propaganda de produtos, práticas e serviços que possam ser nocivos à saúde. O tema foi julgado na Ação Direta de Inconstitucionalidade de autoria da ABERT.

Novas regras para RTVs

Em dezembro, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) publicou a Portaria nº 6.197/2018, que estabeleceu as condições, critérios e procedimentos de autorização para a execução do serviço de Retransmissão de Televisão (RTV).

A portaria definiu as regras para pedidos de autorização em caráter primário e secundário, transferência de RTV e adaptação dos canais secundários para primário, complementando as recentes alterações previstas no Decreto nº 9.479/2018, que simplificou o processo de autorização de RTV.

Combate às fake news

A ABERT, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) assinaram, em junho, uma parceria com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para combater a disseminação de notícias falsas no período eleitoral. O presidente da ABERT, Paulo Tonet Camargo, ressaltou a importância do jornalismo profissional para o combate das “fake news”, as chamadas notícias falsas. “É o jornalismo profissional que fornece a notícia correta. As falsidades que circulam, principalmente pelas redes sociais, poderão ser checadas pelos nossos meios de comunicação, que são fontes primárias de informação”, disse.

Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF
+55 61 2104-4600
abert@abert.org.br