assbrasilradiotv

YouTube

@abertbr

Twitter

abertbr

Instagram

ABERT.RadioeTV

Facebook

Artigos

Segunda, 24 Setembro 2012 06:55

Liberdade de expressão e senso comum

Rate this item
(0 votes)

Correio Braziliense
Opinião - Liberdade de Expressão

Publicação: 24/09/2012

Intolerância rima com ignorância. Ambas as palavras se ajustam à ação e reação contra e a favor do Islã que se alastram mundo afora. O filme americano A inocência dos muçulmanos, publicado na internet, difama Maomé e, em consequência, ofende os seguidores do Corão. A película, de quinta qualidade, apresenta o profeta como ladrão, assassino, pedófilo. Temendo respostas violentas, o diretor se esconde atrás do pseudônimo Sam Bacile, cuja identidade ninguém conhece.

Os protestos não tardaram. Voltou, com intensidade multiplicada, o sentimento antiamericano. Representações diplomáticas e centros culturais foram alvo de ataques e depredações. O embaixador dos Estados Unidos na Líbia perdeu a vida. Manifestações, com saldo de dezenas de mortos, tomaram as ruas de países muçulmanos. O medo se espalhou pelo Ocidente e acendeu o alerta vermelho sobretudo na União Europeia e nos Estados Unidos, que reforçaram a segurança interna e externa.

Para acirrar mais os ânimos, a revista francesa Charlie Hebdo divulgou charges que satirizam Maomé. Publicação alemã promete segui-la. Os autores afirmaram que agiram em nome da liberdade de expressão — uma das principais conquistas da civilização ocidental e valor sem o qual inexiste democracia.

A questão é extremamente delicada, sem dúvida. Ela põe em xeque os limites da liberdade de expressão. O secretário-geral da ONU, Ban-Ki-moon, manifestou-se em nome da organização. “A liberdade de expressão é direito inalienável que deve ser protegido, com a condição que não ofenda as crenças e os valores dos demais. Quando o faz, não pode ser protegido da mesma forma.”

Maomé, para os muçulmanos, é o profeta de Deus. Ele, segundo o Islã, recebeu diretamente do Senhor a mensagem que originou o Corão — uma das joias literárias da humanidade. É merecedor de tal respeito que os seguidores consideram profanação representar-lhe a imagem. Pode-se ter uma tênue ideia, assim, da ofensa que as cenas e charges degradantes constituíram para milhões de homens e mulheres.

Há seis anos, quando jornal dinamarquês publicou caricaturas do profeta e originou explosão de fúria muçulmana, o prêmio Nobel José Saramago afirmou: “Alguns dizem que a liberdade de expressão é direito absoluto, o único direito absoluto que existe. Mas a dura realidade impõe limites. Não se trata de autocensura, mas de usar o senso comum. Em situação como a que vivemos e conhecendo as polêmicas em torno do assunto, o senso comum nos diria o que fazer”.

É em nome do senso comum que o mundo apela aos líderes religiosos e políticos do Islã para que peçam calma aos fiéis. E, se julgarem necessário, acionem a Justiça. A tarefa não é fácil. Mas se impõe em nome da convivência internacional.

Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF


(61) 2104.4600 (geral) ou 08009402140 abert@abert.org.br

(61) 2104.4604 (jurídico) (juridico@abert.org.br)

(61) 99347.0038 (imprensa) (imprensa@abert.org.br)

(61) 99434-9030 (financeiro) (contasareceber@abert.org.br)

© Copyright 2022 ABERT. Associaçāo Brasileira de Emissoras de Rádio e Tv