assbrasilradiotv

YouTube

@abertbr

Twitter

abertbr

Instagram

ABERT.RadioeTV

Facebook

Artigos

Segunda, 27 Agosto 2012 15:04

Uma falsa polêmica

Rate this item
(0 votes)

O Globo
Opinião - Jornalistas

Uma falsa polêmica

TEMA EM DISCUSSÃO: a validade do diploma de jornalista
NOSSA OPINIÃO

A recente aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição a fim de restabelecer a exigência do diploma em curso superior, concedido por faculdade de Comunicação, para o exercício da profissão de jornalista, é parte de uma polêmica que se arrasta desde 2001.

Naquele ano, o Ministério Público investiu contra a obrigatoriedade, instituída por decreto-lei, em 1969, pela ditadura militar, com o argumento de que a regra contrariava o direito constitucional à liberdade de expressão.

Transcorreu uma guerra de liminares até que, oito anos depois, o Supremo Tribunal Federal acolheu o argumento, e a exigência de um diploma específico para o trabalho em meios de comunicação foi extinta.

Os sindicatos do setor resolveram explorar o caminho da PEC, uma rota tortuosa, por se contrapor a uma decisão da mais alta Corte do país, tomada, claro, com base na própria Carta.

Não há registro de que o Congresso discuta com profundidade o mérito da PEC. Se debatesse, tomaria conhecimento de que, durante todo o longo tempo em que o diploma esteve suspenso, devido a liminares, não ocorreu qualquer alteração substancial no perfil de contratações pelas empresas jornalísticas.

Os estudantes de faculdades de Comunicação são, e continuarão a ser, os preferidos nos estágios para formandos nas redações.

O curso universitário lhes capacita no manejo de ferramentas básicas da profissão, em qualquer meio — texto, imagem e som —, algo valorizado pelos empregadores.

O fim do cartório do diploma de jornalista não conspira contra o curso superior. Ao contrário, pois, acabado o monopólio das faculdades de Comunicação, os estabelecimentos do ramo, para continuarem a ser procurados por aspirantes ao jornalismo, precisarão melhorar a qualidade dos cursos. Ganham todos: as boas faculdades, os alunos e as redações.

O Supremo acertou ao acolher as razões para o fechamento do cartório do diploma com base no direito à liberdade de expressão. O STF entendeu que, por não existir necessidade de qualquer conhecimento específico técnico, científico para o exercício da profissão, aquele decreto-lei limitava esta liberdade.

É fato, e o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski, ao votar pelo fim da obrigatoriedade do diploma, estabeleceu uma relação entre o decreto de 69 e a preocupação do generais em controlar a imprensa.

Mas, fora aspectos políticos, a própria vertiginosa modernização tecnológica no universo da comunicação força as redações a recrutar profissionais de múltiplas áreas do conhecimento.

Se o jornalismo, por tratar de todo tipo de assunto, sempre necessitou de múltiplas formações acadêmicas, agora, com a diversificação de meios de rápida difusão de informações, esta necessidade foi ampliada. Mas não em prejuízo daqueles que se formam no aprendizado básico do instrumental do ofício.

Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF


(61) 2104.4600 (geral) ou 08009402140 abert@abert.org.br

(61) 2104.4604 (jurídico) (juridico@abert.org.br)

(61) 99347.0038 (imprensa) (imprensa@abert.org.br)

(61) 99434-9030 (financeiro) (contasareceber@abert.org.br)

© Copyright 2022 ABERT. Associaçāo Brasileira de Emissoras de Rádio e Tv