assbrasilradiotv

YouTube

@abertbr

Twitter

abertbr

Instagram

ABERT.RadioeTV

Facebook

Notícias

A Frente Parlamentar da Radiodifusão será lançada na Câmara dos Deputados, no dia 30 de outubro. Criada pelo deputado Eli Corrêa Filho (DEM-SP), a iniciativa já conta com 250 assinaturas de apoio e é considerada uma das maiores frentes parlamentares da Casa. A composição será anunciada durante o lançamento, que terá a presença de deputados e representantes de emissoras de rádio e TV.

Segundo o deputado responsável pela criação, o intuito da medida é defender os projetos que tramitam na Câmara dos Deputados e são de interesse do setor de radiodifusão. “Antes, a articulação ocorria caso a caso. Agora, com o apoio da ABERT, conseguimos fundir o apoio às demandas em uma frente única”, explica.

Advogado e radialista, Corrêa começou a carreira como deputado estadual e está em seu terceiro mandato na Câmara Federal. Filho de radialista, ele se dedica à radiodifusão, prestando informações sobre direitos do consumidor, dicas de saúde, comportamento e lazer. Já foi vice-presidente da Comissão Parlamentar de Direitos do Consumidor.

Entre os principais projetos que estarão na pauta da nova frente parlamentar, está a migração das rádios AM para FM, oferecendo melhor qualidade de áudio e transmissão, além de viabilizar a veiculação da programação no celular. Até o momento, 1.670 emissoras já solicitaram a mudança de espectro. Outras bandeiras da frente são a defesa da liberdade de expressão e de imprensa e a redução das assimetrias regulatórias.

A ABERT poderá subsidiar o Superior Tribunal de Justiça (STJ) no processo que discute se toda publicidade relacionada ao público infantil pode ser considerada abusiva. A decisão sobre a participação da ABERT como "amicus curiae" foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico (DJe), na quinta-feira (17).

O processo foi iniciado pela rede Mc Donald's que questionava multa aplicada pelo PROCON por suposta publicidade abusiva. No entendimento do PROCON, a penalidade é devida por considerar que toda publicidade dirigida às crianças é abusiva.

A ABERT entende que o posicionamento do PROCON é inconstitucional e que somente a publicidade que “se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da criança” deve ser evitada.

"A propaganda não pode ser proibida tão somente por dialogar diretamente com os menores de forma lúdica, e sim, se for concebida para explorar a imaturidade infantil para induzir qualquer comportamento inadequado", afirma o gerente jurídico da ABERT, Rodolfo Salema.

"A ABERT busca contribuir para um debate mais amplo em defesa da liberdade de expressão, garantindo o equilíbrio adequado entre a proteção da criança e do adolescente e a publicidade infantil. A Constituição Federal é clara ao estabelecer que apenas propaganda comercial de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos, medicamentos e terapias estará sujeita a restrições legais", conclui Salema.

Jornalistas e especialistas no combate à desinformação digital alertaram nesta quinta-feira (17), em São Paulo, para os perigos do uso de tecnologia na disseminação de mentiras e boatos que tentam desqualificar o jornalismo e o conhecimento científico.

A advertência foi um dos destaques do seminário “Desinformação: antídotos e tendências”, promovido pela Associação Nacional de Jornais (ANJ), dentro das comemorações de 40 anos da entidade.

De acordo com os palestrantes, a desinformação é criada para manipular o debate público, ameaçando a democracia.

Na abertura do seminário, o presidente da ANJ, Marcelo Rech, destacou que o controle das comunicações não é o melhor caminho para o combate à desinformação, muito menos por parte de governos.

Segundo Rech, “o melhor antídoto à desinformação, no curto prazo, é valorizar e reconhecer o papel da imprensa profissional. No entanto, por buscar a verdade e o acerto, muitas vezes o jornalismo incomoda aqueles que têm seus interesses contrariados”, ressaltou.

Rech disse ainda que se avizinha a ameaça da desinformação 2.0, com base numa tecnologia cada vez mais avançada, que vai exigir de todos novos remédios e tratamentos inovadores para o enfrentamento do que pode ser “uma epidemia devastadora de falsidades”.

“Muito já vem sendo feito pelos jornalistas, veículos, instituições e outras organizações para o combate à desinformação. Mas é preciso agora estarmos ainda mais preparados e irmos muito além, para enfrentar e vencer a mentira”, concluiu.

Durante o encontro, também foram debatidos outros desafios da indústria jornalística, como a busca por mais receitas a partir de assinaturas digitais.

Ameaça dos vídeos manipulados por inteligência artificial

Na palestra de abertura do seminário, Sam Gregory, premiado tecnólogo, media-maker, jornalista e advogado, detalhou os riscos dos chamados deepfakes, vídeos manipulados com o uso de inteligência artificial (IA).

Para Gregory, além do desenvolvimento de tecnologias capazes de acompanhar as farsas digitais, as sociedades precisam desenvolver ceticismo positivo, e isso passa pelo fortalecimento do jornalismo e do conhecimento em geral e das informações específicas para lidar com essa última geração de manipulação.

"As pessoas não devem ver deepfakes como o fim da verdade, mas precisam se preparar para enfrentar a nova onda de desinformação, e jornalistas, verificadores de fatos e ativistas são pontos centrais nessa tarefa", afirmou.

Gregory contou que, nos últimos 18 meses, especialistas têm estudado em diferentes países os melhores caminhos para enfrentar deepfakes, o que é possível fazer, quais são as ameaças e como proceder sem pânico. No Brasil, foram elencadas como prioridades a alfabetização midiática (com o rastreamento até a origem do conteúdo fraudulento), melhorar e dar fácil acesso a ferramentas que detectam vídeos manipulados, a capacitação dos jornalistas e o monitoramento do ambiente de desinformação ao redor das deepfakes.

No entendimento do especialista, o debate sobre o enfrentamento a deepfakes tem de ser global e descentralizado; é preciso garantir que jornalistas tenham acesso a ferramentas contra essas falsidades digitais e, ao mesmo tempo, não se transformem em alvo daqueles que têm interesse em desacreditar os profissionais responsáveis pela verificação dos fatos, criando ambiente ideal para a manipulação por meio da mentira; e responsabilizar as grandes plataformas como Google e Facebook – no Brasil, em especial o WhatsApp, do Facebook.

Desinformação e as eleições

No primeiro painel do encontro, "Desinformação nas Eleições", a jornalista Angela Piementa, do PROJOR, destacou as implicações negativas da desinformação para a democracia, tipificadas em três principais eixos: informação incorreta (Mis-Information), quando informações falsas são compartilhadas, mas sem intenção de dano; desinformação, quando informações falsas são conscientemente compartilhadas para causar danos; e mal-informação, quando informações genuínas são compartilhadas para causar danos, muitas vezes através da publicação de informações destinadas a permanecerem privadas.

Daniel Bramatti, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (ABRAJI) e editor do Estadão Dados e do Estadão Verifica, detalhou a atuação do Projeto Comprova durante a eleição de 2018, cujo sucesso permitiu uma segunda edição da iniciativa, em andamento, com a colaboração de mais de 20 redações. Bramatti contou que somente no WhatsApp o projeto reuniu mais palavras do que qualquer livro da série infanto-juvenil Harry Potter, o que dá a dimensão da quantidade de desinformação espalhada nas eleições. O jornalista lembrou ainda do ganho de produtividade nas redações parceiras, que cederam dois a três profissionais e receberam em troca material de mais de duas dezenas de jornalistas.

*Com informações da ANJ

Quinta, 17 Outubro 2019 18:41

Entrevista - Sílvio Costa Filho (PRB-PE)

Reformas, Pacto Federativo e juventude foram alguns dos assuntos comentados pelo deputado Sílvio Costa Filho (PRB-PE) durante entrevista à Rádio ABERT.

O parlamentar visitou a sede da Associação, em Brasília, na quarta-feira (16), quando foi recebido pelo presidente Paulo Tonet Camargo, conselheiros e diretores de entidades ligadas à comunicação.

Leia, abaixo, os principais trechos da entrevista para a Rádio ABERT. A íntegra pode ser acessada aqui.

O senhor vem de uma família com tradição política. Seu pai foi deputado federal e seu irmão é deputado estadual. Política se aprende em casa?

Dr. Miguel Arraes (político pernambucano) dizia que não existe herança na democracia. Com mandato parlamentar, você tem a oportunidade de ser eleito ou não eleito. E você só se consolida na vida pública se você, de fato, tiver espírito público. Muitos filhos de políticos tiveram oportunidade de disputar eleição: alguns ganharam, outros não. E outros só tiveram um ou dois mandatos, dependendo da circunstância. Sou formado em pedagogia, trabalhava em uma rede de escola particulares no Recife. Fui eleito o vereador mais jovem da história da cidade do Recife. Depois, por três vezes, exerci um mandato de deputado estadual. Fui líder da oposição, tive o privilégio de ser secretário de Estado e agora saí das urnas com a responsabilidade de exercer o mandato de deputado federal, sobretudo em um momento difícil e desafiador que vive o Brasil. Foram quase 110 mil eleitores que me deram a confiança, que acreditaram em mim para representar Pernambuco aqui no Congresso Nacional. Então eu faço política porque gosto, porque acredito, e acho que a política é a única forma da gente construir uma sociedade mais justa e solidária. Você sabe que Bakunin (Mikhail Bakunin, político russo) pregava o anarquismo, que significa uma sociedade sem ordem e sem leis. Eu acho que só através da política temos, hoje, um Ministério Público, o Tribunal de Contas, a Polícia Federal... Negar a política é negar a democracia. Por isso, entendo que vamos mudar o Brasil sim, mas através da política.

A Reforma da Previdência esteve sob os holofotes durante muito tempo na Câmara. Agora chegou o momento de debater a Reforma Tributária. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, declarou que antes, possivelmente, será apreciada a Reforma Administrativa. Qual o impacto esperado e os pontos mais importantes dessas matérias?

Eu sou um reformista. Acho que qualquer presidente, nesse momento, teria um encontro marcado com as reformas. Desde a Constituição de 88, o Brasil já discutia a necessidade de reformar a previdência, fazer a Reforma Tributária, discutir a questão do Imposto Único, fazer a reforma do Estado brasileiro, são temas que já são discutidos há muito tempo. Essa discussão acelerou nos últimos 10 anos. Sobre a Previdência, por exemplo, o presidente Lula taxou os inativos. A presidenta Dilma criou o Funpresp e, agora, depois de 20 anos, foi aprovada a Reforma da Previdência, muito importante para a saúde financeira e fiscal do Brasil. Eu acho que a gente tem que debater a reforma administrativa com seriedade. A gente não pode tratar iguais de forma desigual. Não acho isso justo. A gente precisa implementar no Brasil a técnica da meritocracia, prestigiar quem produz. É isso que acontece hoje no mundo. Sou um defensor da Reforma Administrativa e, sobretudo, da busca permanente pelo Estado mais enxuto, menos burocrático e mais ágil para atender bem à população. Sobre a Reforma Tributária, eu acho que o setor produtivo passou muito tempo esperando a Reforma da Previdência. Ela é aprovada e, depois, é a vez da Reforma Tributária. Aí o empresário que ia investir diz: “Bom, passou a Previdência, agora vou segurar o investimento para aguardar a Reforma Tributária para ver quais são as regras do jogo e eu fazer o meu investimento”. Então, eu me preocupo porque com a Reforma Tributária pode retardar aproximadamente oito a doze meses a volta do crescimento do Brasil. A reforma é importante, mas eu tenho defendido junto ao presidente Rodrigo Maia, aos líderes e na Casa, que a gente primeiro faça a unificação de um imposto federal e depois faça uma discussão mais ampla sobre estados e municípios. Nesse momento é melhor unificar o imposto único federal para não mexer nos estados e municípios, porque isso atrapalha a construção de uma aprovação da reforma. Por exemplo, você tem hoje um plano de saúde que paga uma média de imposto de 12% PIS Cofins. Se sobe para 25%, isso automaticamente pode impactar no aumento do plano de saúde, ou seja, são mais impostos que vão ser cobrados. O mesmo acontece com a educação. A gente tem a Zona Franca de Manaus, temos, também, a rota 2030, que até 2030 o Brasil vai ter uma linha de incentivos fiscais para o setor automotivo. Então quando você desce para os Estados e para outros setores, isso pode prejudicar a economia. Por isso que estou defendendo objetivamente a unificação do primeiro modelo do imposto único só federal e, depois, a gente discute a transição para estados e municípios.

O senhor preside a Comissão Parlamentar em defesa do Pacto Federativo e anunciou um acordo entre os lideres partidários para que os recursos da venda do pré-sal beneficiem estados e municípios. Recentemente, o senhor também declarou que os municípios pernambucanos vão receber R$ 540 milhões deste recurso para estimular a economia local. O senhor pode falar da importância da repactuação desse recurso e de que forma esse dinheiro deve ser investido?

Eu sou um defensor do novo pacto federativo e do novo federalismo. Isso porque, antes da Constituição de 88, 70% do que se arrecadava no Brasil ficava nas mãos de estados e municípios e 30% nas mãos da União. Nesses últimos 30 anos, a pirâmide se inverteu, ou seja, hoje 60% ficam nas mãos da União e 40% nas mãos de estados e municípios. E o problema da população, como saúde, educação, mobilidade urbana, segurança, prestação de serviços na área social e militar, são feitos pelos municípios e estados. Então é por isso que eu digo sempre que o futuro do brasileiro não está apenas aqui em Brasília. Ele está, sobretudo, nos estados e municípios. É o prefeito e o governador que têm a compreensão maior do que deve ser investido, dos vários problemas de cada cidade... Eu tenho defendido claramente que a gente possa construir esse novo federalismo brasileiro, fazer uma repactuação, ou seja, menos Brasília e mais Brasil. Que no lugar de haver uma grande concentração de recursos nas mãos da União, a gente possa dividir esse dinheiro para estados e municípios. Como presidente da Frente Parlamentar Mista do Novo Pacto, destaco que temos trabalhado muito nessa direção. Por exemplo, o dinheiro extra que vai entrar agora em dezembro no caixa da União, oriundo da cessão onerosa, a tendência é que R$ 25 bilhões possam ser divididos entre estados e municípios. Isso é dinheiro para investimentos em programas sociais, Previdência, obras de infraestrutura... Eu sou de centro e sou muito crítico desse radicalismo que a gente vive no Brasil. Eu acho que a gente está perdendo tempo com brigas bobas, que não ajudam o país. Defendo o Bolsa Família, Pronatec, Minha Casa Minha Vida e Luz para Todos. São programas importantes para o Brasil. Mas, na minha avaliação, o programa social mais importante do país é o emprego e a renda, porque é isso que traz felicidade e estabilidade para a população. Eu acho que a gente precisa fazer com que o Brasil volte a crescer, se desenvolver e gerar emprego e renda para a população.

A comunicação tem um papel de destaque na atuação parlamentar. Nos últimos anos, com as mídias digitais, todo cidadão passou a emitir opinião e a divulgar informações que não obrigatoriamente tenham sido checadas. O senhor sente que esse fator ameaça a imprensa? Como o jornalismo profissional protege a população da desinformação?

Eu acho que a gente tem que, cada vez mais, preservar, valorizar e trabalhar pela boa imprensa brasileira. A imprensa tem que ser preservada e respeitada sempre. ‘Ai’ do país que não tem uma imprensa livre e não tenha responsabilidade sobre o que está sendo divulgado. Estamos vivendo um momento do Brasil que isso tem me preocupado muito. Sou um admirador de Barack Obama (ex-presidente dos Estados Unidos) e ele disse no seu último discurso de despedida que as redes sociais podem ser um risco à democracia, porque hoje cada vez mais a gente vive em uma sociedade que não lê, não estuda, não procura se informar, e, muitas vezes, recebe uma notícia por WhatsApp, uma fake news, pega aquela notícia e começa a repassar para outras pessoas. Por isso, a gente tem que respeitar e valorizar o bom jornalismo, porque já que não quer ler, não quer se informar, não quer buscar conteúdo, pelo menos que possa ter a informação através do bom jornalismo, que retrata, de fato, a realidade dos fatos. Então, eu quero, cada vez mais, pautar o nosso mandato na Câmara Federal na defesa do jornalismo responsável do Brasil, para que a gente possa ter uma imprensa livre e com direito de divulgar. E naturalmente eu acho que a própria imprensa também nesse momento está fazendo uma reflexão de conteúdo. Acho que a própria imprensa também precisa refletir na hora de dar informação. Muitas vezes, ela tem mais zelo e até mais responsabilidade sobre aquela informação.

Entre os projetos de sua autoria, a juventude também é uma preocupação recorrente. O senhor já tratou da nutrição infantil, propôs uma lei que trata da responsabilidade educacional, foi pioneiro na criação do parlamento jovem, no Recife. Quais medidas são fundamentais para estimularmos os jovens a exercerem sua cidadania e a terem consciência de suas escolhas e decisões políticas?

Eu considero o jovem fundamental para o país. O jovem sempre teve um papel muito ativo na construção da democracia brasileira desde a época do Petróleo é Nosso, das Diretas Já, da ditadura militar, do impeachment do presidente Collor, das manifestações de rua... Quer queira ou não, o jovem faz parte da construção permanente do Brasil. O jovem cada vez mais tem que participar da construção da política, ele é um ator importante em relação ao momento que a gente está vivendo. Então, temos votado matérias que estimulem a participação do jovem na política, que estimulem a busca de emprego e renda, por exemplo. Hoje no Brasil a média de desemprego é de 11,6% geral. Quando olhamos os jovens, em alguns estados já passa de 25%. Isso é muito preocupante e eu acho que temos que votar matérias que possamos estimular a participação dos jovens na política e trabalhar para que a gente possa gerar emprego e oportunidade para essa juventude tão importante que o Brasil tem. A gente sempre tem debatido sobre o jovem na Câmara para ver se a gente avança nesses próximos quatro anos.

Página 5 de 211
Image
Associação Brasileira de Emissoras
de Rádio e Televisão.

SAF Sul Quadra 02 Ed. Via Esplanada Sala 101 - 70.070-600 - Brasília - DF


(61) 2104.4600 (geral) ou 08009402140 abert@abert.org.br

(61) 2104.4604 (jurídico) (juridico@abert.org.br)

(61) 99347.0038 (imprensa) (imprensa@abert.org.br)

(61) 99434-9030 (financeiro) (contasareceber@abert.org.br)

© Copyright 2022 ABERT. Associaçāo Brasileira de Emissoras de Rádio e Tv